O GRAVE ERRO DA NOTA TÉCNICA DA CEPLAC

|

José Léo - Lavigne-Médico CREMEB 51 e cacauicultor

Email:leolavigne@uol.com.br

(Matéria publicado no Ibirataia Noticias)

clip_image002

Nos países civilizados, a agricultura é protegida, porque os seus governos reconhecem que o alimento é, como o ar, indispensável à nossa sobrevivência. Relatou-nos o italiano Máximo Finotti, genro do cacaicultor Dr. Orlando Lavigne de Souza, que, na Itália, ao dizer que aqui os cacauicultores pagavam, por mês, até 20% de juros dos empréstimos tomados, ficou desconceituado sob a alcunha de mentiroso. Lá os juros são simbólicos, de 3% ao ano. Um simples fato isolado, mas que expressa condenação à estupidez de nossa política agrária.

Para combater a infestação da vassoura de bruxa na lavoura cacaueira da Bahia, o governo federal de FHC concedeu um empréstimo apresentado como protecionista, porém de caráter feneratício, usurário, que comprovaremos com um exemplo: 250 mil reais tomados por um cacauicultor ascendeu extorsivamente para mais de 2 milhões de reais em mais ou menos 6 anos, sob ameaça de execução, com o agravante da liberação da verba estar ligada aos métodos de tratamento impostos pela CEPLAC, de terem sido inócuos e, alguns serem até prejudiciais.

A Nota Técnica da Ceplac reivindica para pagamento dessa dívida, 8 anos de carência e 12 anos de prazo. Ao nosso ver, tímida e injusta em face dos fatos acima expostos e de ter o Governo Federal dilatado o prazo de pagamento de dívidas de firmas, não agrícolas, do sul do país, em centenas à milhares de anos. Uma forma subreptícia de perdão, que não estamos condenando, mas estranhando a discrepância do tratamento discriminatório dispensado à lavoura cacaueira da Bahia.

A Nota Técnica da Ceplac omite-se de considerar esses fatos e faz a absurda e inverídica afirmação: a ruína da lavoura cacaueira não se deve à VS, baseada na baixa percentagem desta, em alguns frutos ocasionalmente examinados. Ora, a intensidade dessa necrose patológica, independe deste percentual. É o que se constata na tese de doutoramento da Dr. Stela Dalva Vieira Midelj Silva, sobre histopatologia, lendo-se o seguinte trecho: “as células mesmo sem estarem em contacto com o fungo, são estimuladas a se dividir, havendo considerável crescimento desorganizado, quando comparado com tecido sadio”. Deste modo, a Nota Técnica da Ceplac comete um erro grave, com essa absurda afirmação, baseada apenas num exame falho e desvalioso, desprezando o exame histopatológico (de uso corriqueiro na medicina humana) que se caracteriza pela exatidão diagnóstica e que se tivesse sido utilizado, iria confirmar, microscopicamente, com infalibilidade, que as lesões macroscópicas detectadas nos milhões de frutos abertos pelo facão do peão, ante o cacauicultor desolado, eram, de fato, devido à VS. No entanto, nem a Nota Técnica da Ceplac nem as suas fontes, ao menos mencionaram o exame histopatológico. E a Nota Técnica da Ceplac ao negar o efeito da vassoura de bruxa na ruína do cacau, arruína o valor de sua publicação e o conceito da CEPLAC.

Talvez, por não poder explicar a razão de ter desprezado a feitura desse exame infalível, é que não houvesse ninguém que se atrevesse a assiná-la

Essa conclusão inverídica da Nota Técnica da Ceplac , de que não é culpa da vassoura de bruxa a ruína da lavoura cacaueira , não deve refletir, com certeza, ignorância, e sim um ato engodativo de auto proteção à culpabilidade da CEPLAC por essa infestação e suas conseqüências. Esse conceito deve ser revisto, uma vez que, ao nosso ver, cabe ao Regime Militar a culpa dessa infestação pela vassoura de bruxa, recaindo portanto, sobre o Governo Federal , essa responsabilidade, e a Nota Técnica da Ceplac insistindo nessa tese inverídica, espúria, macula ainda mais a imagem da CEPLAC perante os cacauicultores, e violenta os interesses e os direitos da lavoura cacaueira da Bahia — tão injustiçada e tão sofrida.

1 Comentário:

cionara disse...

A CEPLAC com essas atrapalhadas mal intencionadas, muda o significado da sua sigla para: CentroEspecialParaLiquidarAgricultorCacauicultor.
Nos, cacauicultores, não merecemos PERDÃO,pois perdão se da a quem tem culpa. A CEPLAC sim pode ser perdoada por Deus, se falar a verdade, para a remissão de suas culpas e pecados. Dorcas.

 

©2009 NOTÍCIAS DE IPIAÚ | Template Blue by TNB